Escolha sua rádio favorita
Rádio on-line!
ACORDA AÍ
CLÉDSON
Dive dá orientações para prevenir a brucelose humana
Saude | 26/07/2017 08:39 | ASCOM/SC | Fotos:

Beber somente leite fervido ou pasteurizado e consumir produtos de origem animal de procedência segura são as principais recomendações para evitar a brucelose humana, doença que pode provocar infecções crônicas, alerta a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

A doença é transmitida ao homem por meio da ingestão de produtos lácteos não pasteurizados, carnes mal cozidas e derivados provenientes de animais infectados pela bactéria (Brucella), que causa brucelose nos animais, especialmente em bovinos, suínos, caprinos e ovinos. Os produtores e trabalhadores do meio rural também devem ficar atentos ao manuseio dos animais. “Outra forma de transmissão da brucelose ao homem é pelo contato com tecidos, sangue, urina, placenta e fetos abortados de animais doentes”, explica Suzana Zeccer, gerente de Zoonoses da Dive.

Nos humanos, os sinais e sintomas são febre contínua, intermitente ou irregular, dores de cabeça, suores noturnos, dores musculares e articulares.

Em Santa Catarina, os casos de brucelose bovina são informados pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) às secretarias de saúde dos municípios, que fazem a investigação da doença nas pessoas que tiveram contato com os animais doentes. Os casos confirmados de brucelose humana são notificados pelo município e monitorados pela Dive. O tratamento é oferecido gratuitamente pelo SUS. Em 2016, 108 pessoas foram diagnosticadas com brucelose no estado, 69 a menos do que o registrado no ano anterior. Em 2017, 53 casos foram diagnosticados até o momento.

Santa Catarina é o estado brasileiro com a menor incidência de brucelose bovina. Com apenas 0,9% dos rebanhos infectados, o estado é classificado pelo Ministério da Agricultura como de Risco Muito Baixo.

Como evitar a brucelose humana:

  • Beber somente leite fervido ou pasteurizado;
  • Consumir produtos de origem animal de procedência segura.

Para produtores rurais:

  • Usar equipamentos de proteção individual no trato dos animais, para evitar o contato direto com animais doentes ou potencialmente infectados;
  • Manusear fetos abortados e restos de placenta com luvas impermeáveis;
  • Queimar e enterrar fetos abortados e restos de placenta;
  • Desinfetar o local onde ocorreu o aborto, utilizando água sanitária;
  • Lavar bem as mãos com água e sabão, caso tenha entrado em contato com material suspeito (feto, placenta, líquido do parto etc);
  • Realizar periodicamente os exames nos animais e abater sanitariamente os que forem diagnosticados como positivos;
  • Notificar à Cidasc os casos de aborto de bovinos na propriedade;
  • Introduzir no rebanho somente animais com atestado de exame negativo para brucelose e consultar regularmente um médico veterinário.

FOTOS

 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
Publicidade
Avenida Nereu Ramos, 226 - Centro - Taió - Santa Catarina - 89190-000 || Fone/Fax: 47 3562-0139 || E-mail:comercial@radio1047.fm.br
2016 Rádio 104,7 FM, Todos os Direitos Reservados.